“Sonho ter um tablet.” – Sara, 7 anos, leucemia

Categoria: 2018, Sonho Ter

A cada sonho, o coração do voluntário cresce, sua família aumenta, e entre tantas razões para viver, esta é a aqui atravessaríamos a vida por mais 1.000.000 vezes para viver!

Esta viagem para realizar o sonho da Sara foi diferente de tudo que já vivi (relata o voluntário Renato), pois houve muitas histórias, encontros e atrapalhações (sim, se não houvesse, não seria o Renato, diz ele. Como, por exemplo, atolar o carro na areia; se perder por mais de 400km da casa da wish kid), mas creio que nada disso foi por acaso!

Mas durante esta perdida, o voluntário Renato consegue ligar para a avo da wish kid, que logo de cara foi quem atendeu o telefone. Do outro lado, numa ansiedade enorme, ela só dizia ao voluntário: “Renato, Renato você vai vir né?! Eu estou aqui lhe aguardando…eu sei que vc vem me ver…” Bom, depois disso, podia acontecer o que fosse, o voluntário relata que, estava determinado que ver a Sarinha era tudo no que ele precisava pensar e focar. E, foi o que aconteceu….

Chegando no povoado onde Sara mora, há poucas casas, e a distância entre elas é grande…mas o voluntário parava em casa em casa para perguntar onde Sara morava, e sem acreditar, todas as casas que ele ia as famílias saíam para explicar onde era e agradecer por termos ido realizar o sonho de Sara.

Começa a escurecer, e nosso voluntário chega na casa da wish kid, avistando ela sentada na frente de sua casa com um sorriso enorme ao ver o voluntário. Quando ele desce do carro, falando que era da MAKE-A-WISH, Sara corre ao seu encontro e os dois se abraçam. Enquanto isso, sua avó e sua tia chorão emocionadas, e seu tio, recebendo o voluntário com fogos de artifícios.

Ficamos um bom tempo ali, tempo suficiente para conversar, brincar, tomar um lanche com um bolo delicioso, e então, bora realizar o sonho tão aguardado por Sara, que nos retribui com um lindo e inesquecível sorriso.

A noite chega, nosso voluntário se despede com todos muito emocionados, quando sem esperar, Sarinha puxa sua avó para um cochicho, e as duas entram, retornando com uma garrafa pet e uma sacola cheias de feijões, pois Sara disse que, nosso voluntário não podia ir embora sem ganhar nada dela.